PARANAGEO

18/08/14 - Mapeamento 3D poderá elucidar queda de aeronave em que estava Eduardo Campos

Com a ajuda de scaners e drones, peritos da Polícia Federal estão montando uma maquete virtual do lugar onde caiu o avião, em que estavam o candidato à presidência da República Eduardo Campos (PSB), quatro assessores e dois pilotos. O acidente ocorreu na manhã da última quarta-feira, no Boqueirão, em Santos. Com a reconstituição do voo, a partir das imagens, a PF poderá esclarecer o que provocou a queda do avião.

Para refazer o trajeto da aeronave, os peritos da PF ampliaram a área de isolamento do acidente nesta manhã. Com o uso dos equipamentos, eles conseguem registrar as marcas que o avião deixou nos prédios e no solo antes de cair.

O trajeto do avião por entre os prédios está sendo refeito desde o momento em que o piloto desistiu do pouso na Base Aérea de Santos, em Guarujá. Uma maquete em três dimensões deverá ser montada após a conclusão dos trabalhos.

Após a manobra, por volta das 9h50, o avião caiu no perímetro das ruas Alexandre Herculano e Vahia de Abreu. Campos e as outras seis pessoas haviam saído do Rio de Janeiro às 9h21. O avião, segundo pilotos que conhecem a região, levou no máximo dois minutos entre a pista de pouso na Base Área em Guarujá até cair no bairro do Boqueirão.

Antes de sair do Rio de Janeiro, o piloto Marcos Martins recebeu um boletim detalhado da rede de meteorologia da Aeronáutica, informando as condições climáticas na Baixada Santista. Havia muita névoa úmida e pouca visibilidade.

O piloto também foi informado pela Força Aérea Brasileira (FAB) que havia uma área reservada para voo de Veículo Aéreo Não Tripultado (VANT) entre os dias 11 e 31 de agosto.

Porém, a FAB informa que a área ativada fica a cerca de 20 quilômetros de separação da pista de pouso do aeródromo de Santos, bem distante da possível trajetória realizada pelo PR-AFA no dia 13 de agosto.

Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia, na hora do acidente, a velocidade dos vento era 12 Km/h (7 nós) e ventava de cauda – ou seja, empurrava o jatinho quando ele deveria apresentar velocidade inferior, já que o asfalto molhado encurta a pista de pouso.

Sem conseguir pousar na Base Aérea, o piloto atravessou o canal do mar, fez uma curva, avançou sobre a cidade de Santos, quase atingiu dois prédios e caiu em um quintal, única área vazia na região. Todos os ocupantes da aeronave morreram. Apenas onze pessoas ficaram feridas em solo.

Fonte: A Tribuna On-line